Na Síria, uma criança de 10 anos se concentra em permanecer na escola - CARE

Na Síria, Maram, de 10 anos, está empenhado em permanecer na escola e se tornar professor

Uma garota sorri enquanto está do lado de fora, na frente de uma casa.

Todas as fotos © Shafak / CARE

Todas as fotos © Shafak / CARE

Como a menina mais velha em uma casa com 22 filhos, Maram deve equilibrar as responsabilidades da escola e de cuidar de seus irmãos e primos mais novos.

Maram *, de dez anos, é uma das 22 crianças que moram na casa dos avós no noroeste da Síria, onde conflitos violentos são uma constante há quase uma década. Depois que o pai de Maram morreu, sua mãe se casou novamente e a família se mudou para morar com seus avós e primos.

Como a menina mais velha da casa, Maram deve cuidar das tarefas domésticas e das crianças menores. Essas expectativas, combinadas com as dificuldades financeiras e o deslocamento da família, forçaram Maram a abandonar a escola, apesar de seu desejo de aprender. O fardo contínuo de ser uma cuidadora e o trauma de suas experiências criaram muito medo e ansiedade para Maram.

“Quero dizer aos meus amigos e a todas as outras crianças que a escola é importante e que devem continuar a estudar, sejam quais forem as circunstâncias.”

No noroeste da Síria, a CARE tem parceria com a organização humanitária Shafak, cujas equipes de proteção visitaram os avós de Maram para discutir as necessidades de meninas como ela e a importância de apoiar seus direitos, incluindo o direito de brincar e o direito à educação. Como resultado, Maram voltou à escola para continuar seus estudos. Voltar à escola ajudou a aliviar um pouco o medo e a ansiedade de Maram, mas ela ainda está tentando equilibrar as responsabilidades da escola e de casa. Ela ajuda os irmãos e primos com os trabalhos escolares e continua a cuidar deles com a avó.

Devido à pandemia do coronavírus, Maram não pôde comparecer fisicamente ao ano letivo, mas está tentando acompanhar suas aulas remotamente por meio do celular e de aplicativos de mídia social. Aqui, ela compartilha sua história pessoal e sonhos de se tornar professora.

Uma garota escreve em um caderno enquanto está sentada à mesa.

“Meu nome é Maram. Tenho 10 anos e moro no noroeste da Síria.

Perdi meu pai por causa da guerra. Agora moro na casa do meu avô, depois que minha mãe se casou novamente e se mudou para outra casa. Moro com meus irmãos mais novos e primos na casa do meu avô. Há 22 crianças na casa e eu sou o mais velho. Meus primos também perderam seus pais por causa da guerra. Tive que deixar a escola por dois anos para ajudar minha avó a cuidar dos filhos mais novos e por causa da difícil situação financeira.

As crianças brincam na frente de uma casa.

Um dia, uma equipe de uma organização humanitária nos visitou. Eles se sentaram com meu avô e minha avó e conversaram com eles sobre a importância da escola e a necessidade de as crianças continuarem a estudar. Não sabia que essa visita mudaria minha vida. Sempre sonhei em terminar meus estudos e ser professora quando crescer. A equipe conseguiu convencer meu avô a me mandar para a escola novamente.

Agora estou na quarta série e amo muito minha escola. Gosto de brincar com meus amigos na escola, mas tenho dificuldade em conciliar os deveres escolares e familiares. Quando volto da escola, troco de roupa, almoço e ajudo minha avó nas tarefas domésticas. Depois que termino, começo a estudar e faço minha lição de casa. Todos os dias estudo por no máximo uma ou duas horas. Não tenho muito tempo porque sou a menina mais velha da casa. Tenho que ajudar minha avó e cuidar de meus irmãos e primos. Eu os ajudo nas aulas e nos deveres de casa, e também ensino o alfabeto e a escrita aos mais novos.

Tenho o sonho de ser professora de árabe porque adoro esta matéria e adoro a minha professora de árabe. Também gosto de matemática porque acho que é fácil e não precisa de memorização.

O coronavírus afetou minha escola este ano. Atualmente não vou à escola e fico triste porque não encontro mais os meus amigos, com quem brincava todos os dias no quintal. Agora acompanho minhas aulas pelo celular e aplicativos de mídia social com os professores. Temos um grupo de WhatsApp, onde nossos professores nos enviam aulas e fazem o acompanhamento.

Um gouger de crianças brincam com brinquedos /

Quero dizer aos meus amigos e a todas as outras crianças que a escola é importante e que eles devem continuar seus estudos, sejam quais forem as circunstâncias. ”

* Nome foi alterado

Maya, de 14 anos, conta sua história pessoal de perseverança em meio à guerra na Síria

Com o apoio de sua mãe e professora, Maya foi capaz de lidar com seu medo e trauma e perseguir seu sonho de se tornar uma médica.

Saiba mais
Conheça a noiva em fuga ajudando a impedir o casamento infantil

Aos 12 anos, Mikre era casada com um homem com o dobro de sua idade. Sua mãe, Mare Nega, fez o arranjo em segredo, usando o batismo de seu filho recém-nascido como cobertura para o casamento de sua filha.

Saiba mais