Ela é proprietária de uma empresa: Fariha Irfan - CARE

Ela é proprietária de uma empresa: Fariha Irfan

Uma mulher vestindo uma roupa marrom e laranja está atrás de uma mesa com bordados, cerâmica e outros artesanatos.

Foto: CARE Paquistão

Foto: CARE Paquistão

Como proprietária de uma empresa de artes e artesanato no Paquistão, Fariha apóia uma rede de artesãos. Neste Dia Internacional da Mulher, estamos celebrando TODAS as mulheres - as artistas, empreendedoras, os agentes de mudança.

Fariha Irfan foi administrando seu próprio negócio de artes e artesanato por quase três anos. A mulher de 40 anos, de Rawalpindi, no Paquistão, mora com o marido e quatro filhos. Ela não só traz renda para sua própria família, mas tem uma rede de artesãos que ela apóia com seu negócio.

Fariha é especializada em cerâmica e artesanato do Punjab, incluindo tecidos para bordar e roupas estampadas para mulheres. Atualmente, ela trabalha em estreita colaboração com quatro mulheres que bordam e três homens que fornecem a cerâmica. Além de ser uma compradora e vendedora desses itens especializados, Fariha também trabalha em estreita colaboração com os artesãos em ideias de design.

Ser mulher e abrir um negócio no Paquistão tem seus desafios: “Começar um negócio é especialmente difícil para as mulheres. Vivemos em uma sociedade dominada pelos homens e, a cada passo, precisamos de homens para nos ajudar, sejam nossos maridos ou irmãos ”, explica Fariha. Para reforçar, ela explica que o marido deu-lhe capital para abrir o negócio. Ela acrescenta: “Não pude pedir um empréstimo porque não cumpria os requisitos. Também não conheço o procedimento de inscrição e às vezes nem estou ciente da oportunidade de solicitar assistência financeira. ”

Apesar dos desafios, Fariha é uma forte defensora dos negócios pertencentes a mulheres, acrescentando: “Por meio dos negócios, as mulheres podem se tornar mais independentes e confiantes e podem sustentar suas famílias. Depois de dar o primeiro passo, novos caminhos se abrirão. ” Ela também buscou o apoio de um outro empresário, Fouzia, que está mais adiantado em sua jornada empreendedora.

Fariha admite que ter confiança para entrar no mundo dos negócios foi um desafio para ela, mas ela sentiu sua confiança crescer significativamente desde o início. Ela acrescenta: “Sinto-me mais confiante e o medo de sair de casa e encontrar outras pessoas é uma barreira que atravessei”. Quando o negócio começou, Fariha vendia principalmente produtos de casa, mas à medida que sua confiança crescia, ela começou a frequentar regularmente exposições para vender os produtos.

Infelizmente, isso não durou muito, pois a COVID-19 pôs fim rapidamente a todas as exposições e oportunidades de vendas face a face. Fariha precisava se adaptar rapidamente. Reconhecendo a necessidade de mudar seu negócio online, Fariha pediu a seu marido que a ajudasse a criar uma página no Facebook para vender seus artesanatos. “Tive de dar o grande passo para fazer meu negócio crescer, entrando na Internet. Quando fizemos isso, conquistamos novos clientes e novo crescimento. Meu negócio ganhou uma nova cara e pude alcançar clientes fora da minha área local e até mesmo nos Estados Unidos, Bahrein e Dubai ”, ela explica com orgulho.

Quando entramos na Internet, minha empresa ganhou uma nova cara e pude alcançar clientes fora da minha área local e até mesmo fora do Paquistão.

Fariha Irfan

Fariha já está experimentando os benefícios da digitalização, mas sabe que precisa desenvolver ainda mais suas habilidades digitais, acrescentando: “O que mais preciso para o meu negócio é a alfabetização digital. Pessoalmente, acredito que, até que nos tornemos alfabetizados digitalmente, não podemos expandir nossos negócios durante esta pandemia. ”

Fariha e outros empreendedores como ela terão agora a oportunidade de desenvolver suas habilidades digitais e outras habilidades de negócios por meio do Programa Ignite da CARE, apoiado pelo Mastercard Center for Inclusive Growth. O programa, focado em empreendedores orientados para o crescimento como Fariha, trabalha com provedores de serviços locais para abrir o acesso tão necessário a recursos financeiros e digitais, enquanto constrói sua capacidade de negócios e redes.

Com o apoio do programa, Fariha espera realizar seus sonhos, acrescentando: “Quero fazer crescer a marca que criei, onde estou apoiando minha família e as pessoas cujo artesanato vendo. Quero dar a mais artesãos, que estão presos em casa e sem renda, a oportunidade de alcançar novos mercados com seus produtos e ganhar uma renda ”.

 

Conheça outras mulheres inspiradoras como Fariha e celebre a força, resiliência e engenhosidade de CADA mulher.