Rehema: uma refugiada congolesa, sobrevivente e defensora da mulher - CARE

Conheça Rehema: uma refugiada congolesa, sobrevivente e defensora da mulher

Todas as fotos: Jouzas Cernius / CARE

Todas as fotos: Jouzas Cernius / CARE

Rehema mora em Uganda e baseia-se em suas experiências pessoais para apoiar refugiados sobreviventes de violência sexual e de gênero

Rehema, uma refugiada congolesa, havia chegado recentemente ao campo de refugiados de Kyangwali, no oeste de Uganda, quando foi buscar lenha com sua tia. Sozinhos em uma floresta, dois homens os confrontaram.

“Disseram à minha tia, se você quer que sua vida [seja poupada], você tem que deixar essa menina para nós. Minha tia disse ... 'Prefiro que você me mate' ”, diz Rehema.

Os homens agrediram fisicamente a tia de Rehema antes de agredir sexualmente Rehema, que tinha 18 anos na época. Estranhos a encontraram e a ajudaram a retornar ao campo de refugiados.

“Quando isso aconteceu comigo… tínhamos acabado de chegar”, diz Rehema. “Não conhecíamos as leis de Uganda. Era como se estivéssemos na escuridão. ”

Rehema, agora com 21 anos, diz que foi um dos momentos mais difíceis de sua vida.

1 em cada 3 mulheres sofre violência de gênero durante a vida

Rehema veio para Uganda em busca de segurança contra o conflito étnico na República Democrática do Congo depois que seus pais e alguns de seus irmãos foram assassinados. Ela está trabalhando na reconstrução de sua vida: ela foi localizada e se reuniu com duas de suas irmãs, que ela pensava que morreram junto com outros membros da família. Ela cuida deles, certificando-se de que frequentem as aulas na única escola primária do acampamento. Ela tem esperança de frequentar a universidade em Uganda para se tornar enfermeira.

“Quando meus pais ainda estavam vivos, eles diziam: 'Você é nossa enfermeira.' Eu realmente me sentiria muito feliz, porque como eles poderiam me chamar de enfermeira se eu ainda nem me tornei enfermeira? ”

Nesse ínterim, Rehema cuida de sua comunidade de outras maneiras. Ela é voluntária como preventiva da violência baseada no gênero (VBG) por meio da CARE Uganda. Junto com outros voluntários, ela educa os refugiados em Kyangwali sobre seus direitos e opções se eles experimentaram ou conhecem alguém que está sofrendo violência.

Não conhecíamos as leis de Uganda. Era como se estivéssemos na escuridão.

“Quando vou a campo, falo sobre aqueles casos de Violência Baseada em Gênero, aqueles casos de estupro, como denunciá-los, como administrar, sinto-me à vontade para falar com as pessoas”, diz ela.

De acordo com a ONU, cerca de 20 por cento das meninas e mulheres de 15 a 24 anos na África Oriental e Meridional relataram ter sofrido violência sexual de um parceiro íntimo. As taxas de violência sexual são mais altas em países de conflito e pós-conflito, incluindo a RDC e Uganda.

Mesmo depois de fugir do conflito, as mulheres em campos de refugiados enfrentam “falta de medidas simples de segurança”, como a ausência de fechaduras nas portas e iluminação adequada perto das latrinas, de acordo com a ONU.

Durante a pandemia do coronavírus, à medida que a violência contra as mulheres aumenta em todo o mundo e o apoio torna-se difícil de acessar, os refugiados enfrentam repercussões assustadoras.

Todas as fotos de Jouzas Cernius / CARE

“Aqueles sem documentação ou aqueles que perderam meios de subsistência precários como resultado da devastação econômica que COVID-19 infligiu podem ser forçados a manter relações sexuais ou casamentos infantis por suas famílias”, disse Gillian Triggs, Alta Comissária Assistente para Proteção do ACNUR, Agência da ONU para os Refugiados.

Apollo Gabazira, Diretor Nacional da CARE Uganda, diz que as mulheres e meninas “são as que mais sofrem nas crises e são muito vulneráveis ​​à violência de gênero”, acrescentando que estão cada vez mais vulneráveis ​​durante a pandemia.

Antes da pandemia de coronavírus, a CARE Uganda forneceu apoio pessoal a sobreviventes de violência sexual e de gênero em campos de refugiados. Enquanto Uganda enfrenta um bloqueio e restrições de movimento, a CARE Uganda recebeu uma isenção humanitária, permitindo que os funcionários entrem e saiam do acampamento conforme necessário. Mas a assistência aos sobreviventes é limitada e, em alguns casos, mudou para suporte por telefone.

“Devíamos estar presentes pessoalmente, mas a verdade [durante o COVID-19] é que nem sempre será possível”, diz ele.

COVID-19 representa uma ameaça sem precedentes para as pessoas mais vulneráveis ​​do mundo, incluindo mulheres deslocadas como Rehema.

Veja outras histórias de mulheres e Lute com a CARE, assinando a petição para priorizar os mais vulneráveis ​​em uma resposta COVID-19 global.