AP: Pedidos de mais ajuda à Síria: 'Não temos quase o suficiente' - CARE

AP: Pedidos de mais ajuda à Síria: 'Não temos quase o suficiente'

BEIRUTE (AP) - Aos 19 anos, Fatima al-Omar está perdendo o juízo. Só no ano passado, ela perdeu sua casa para os combates no último enclave controlado pelos rebeldes da Síria e sua mãe foi diagnosticada com câncer. Ela se tornou o único ganha-pão de sua mãe, três irmãos e avó enquanto se moviam entre os abrigos.

Em seguida, o coronavírus atacou, agravando as condições no noroeste da Síria, assim como novos combates haviam desarraigado 1 milhão de pessoas - a maior onda de deslocamento na guerra de 10 anos do país. No final de 2020, al-Omar contratou COVID-19, custando-lhe o último trabalho que teve na colheita de azeitonas. Ela não conseguiu encontrar trabalho desde então e agora corre o risco de ser despejada novamente.

Apesar da piora da situação humanitária na Síria devastada pela guerra, está ficando mais difícil a cada ano arrecadar dinheiro de doadores globais para ajudar pessoas como al-Omar. A comunidade humanitária está se preparando para falhas significativas antes de uma conferência de doadores que começa segunda-feira em Bruxelas e está sendo co-patrocinada pelas Nações Unidas e pela União Europeia.

CARE International falou com a AP sobre a falta de financiamento para a Síria.

Leia a história completa na AP