A história de Barbara: Da insegurança alimentar ao poder financeiro nas plantações de cacau de Gana - CARE

A história de Barbara: Da insegurança alimentar ao poder financeiro nas plantações de cacau de Gana

Barbara Sika Lakweh cumprimenta uma amiga na rua principal de Paboase em setembro de 2022. Todas as fotos são de Laura Noel/CARE.

Barbara Sika Lakweh cumprimenta uma amiga na rua principal de Paboase em setembro de 2022. Todas as fotos são de Laura Noel/CARE.

“A comida nos dá alegria”, diz Barbara, 60, uma professora aposentada que mora em Larwehkrom, uma comunidade de cultivo de cacau no oeste de Gana. “A comida abrange tudo nesta terra e, portanto, a comida é rei em tudo o que fazemos”.

“Se tem comida em casa, todo mundo fica feliz. Se não houver comida em casa, seu marido está com raiva. Ninguém está feliz. Para mim, comida é felicidade e é segurança.”

Ao longo dos anos morando em Larwehkrom, Barbara viu como essa segurança pode ser precária.

Segundo as Nações Unidas, a população de Gana já apresentava uma prevalência de 5.6% de fome severa e 36.6% de insegurança alimentar moderada ou grave em 2020.

E isso foi antes de as grandes perturbações nos sistemas alimentares globais causadas pela guerra na Ucrânia atingirem até mesmo pequenas comunidades agrícolas como a de Barbara. Agora, como muitos dos pequenos agricultores preparam o solo para a próxima estação, há menos fertilizantes disponíveis e os preços dos suprimentos básicos estão subindo. A inflação nacional está quase 40%, e o preço do combustível e produtos básicos como pão mais que dobraram.

Embora ninguém pudesse prever essa convergência exata de interrupções nos sistemas alimentares de Gana, Barbara trabalhou nos últimos anos com a CARE para garantir que a felicidade, a alegria e a segurança provenientes da comida em casa fossem tão estáveis ​​e resilientes possível quando a crise veio.

Barbara Larweh fala em sua reunião VSLA local em setembro de 2022 em Larwehkrom.

A dieta de 4 estrelas

Como mãe de seis filhos e membro ativo da comunidade, as pessoas em Larwehkrom há muito procuram Barbara em busca de liderança em seus assuntos diários. Mas ela sempre quis encontrar maneiras novas e maiores de ajudar a tirar a comunidade de seus ciclos de segurança e escassez. Ela simplesmente não sabia como ou por onde começar.

Em 2016, a CARE convidou Barbara para aprender jardinagem em propriedades rurais por meio de um programa destinado a ensinar pessoas em áreas como Larwehkrom a cultivar alimentos suficientes para enfrentar os tempos difíceis de Gana. Alimentos básicos como milho e mandioca constituem as três primeiras estrelas do que o Serviço de Saúde de Gana chama de “dieta 4 estrelas”, um regime desenvolvido para ajudar a reduzir os problemas de desnutrição e fome do país.

Barbara começou como voluntária, mas rapidamente se tornou membro executiva do Comitê de Desenvolvimento Comunitário.

“O treinamento de jardinagem caseira me ajudou a ter acesso a ingredientes frescos para nossa alimentação”, diz Barbara.

“Ajudou a mim e ao resto das mulheres a economizar dinheiro também, porque agora não precisamos comprar ingredientes básicos como tomates, ovos da horta e pimentas.”

Assim que se sentiu confortável em cultivar esses alimentos básicos, Barbara passou para a quarta estrela da dieta GHS – proteína animal.

Ela obteve um empréstimo da Associação de Poupança e Empréstimo do seu povoado (VSLA) para comprar galinhas do Ministério da Alimentação e Agricultura e, com a ajuda da CARE, aprendeu a criá-las em casa. Logo, Bárbara tinha dezenas de galinhas sob seus cuidados, o suficiente para vender os ovos das “Poedeiras” para as famílias próximas e os próprios “Frangos” no mercado.

“Eles vieram e me treinaram no VSLA. Me dediquei e me ofereci para poder treinar também o meu pessoal”, explica Bárbara. “Comecei com 9 mulheres e 6 homens. Quando começamos, no primeiro ano, conseguimos acumular 50,000 moedas de Gana. Tínhamos lucro e, por isso, o dividimos.”

Uma das muitas pequenas empresas de Barbara é a criação de galinhas e ovos como parte de um programa patrocinado pela Cargill.

O treinamento de produção de alimentos na propriedade ajudou a comunidade a melhorar sua nutrição e diversificar suas dietas, mas por meio das associações de poupança e empréstimo da aldeia, Bárbara e outros empresários locais conseguiram ir além da segurança alimentar para um novo tipo de segurança – financeira.

“Quando um homem não tem dinheiro, quando uma mulher não tem dinheiro, sempre há violência.”

“Agora, as mulheres têm dinheiro”, diz Barbara. “Eles têm empregos. Eles podem trabalhar em mercados. Eles podem comprar. Eles podem vender. Eles foram tirados dessa pobreza. E então o que mais você tem? Agora temos segurança.

“Temos 15 grupos no momento e, para a maioria das minhas mulheres agora, elas conseguiram formar seus próprios VSLAs, ganhar força financeira e criar empregos para si mesmas.”

Além da segurança alimentar e além da segurança financeira, Barbara também ganhou algo mais. Ela ganhou poder.

“Por causa do treinamento de capacitação que a CARE me deu, tenho confiança em mim. Por tudo, onde quer que eu vá. Tudo. Isso é confiança. Mesmo que haja uma parte difícil, eu consigo passar, por causa do empoderamento. Esse empoderamento trouxe meu talento. Não sinto mais medo.”

“Estou muito feliz em trabalhar com a CARE internacional, dentro do VSLA, como voluntário, porque vejo pessoas saindo da pobreza. Alguém que não tem nada? Alguém na pobreza? Alguém precisa de dinheiro? Eu dou dinheiro a eles. Alguém está chorando? Alguém está no hospital? A gente vai lá e, agora, a pessoa tá bem. Então estou muito, muito feliz. E isso pode ser o mundo inteiro, não apenas Larkehkrom.”

Membros do Larwehkrom VSLA, incluindo Barbara Larweh, fazem uma dança improvisada no final de um longo dia de aulas de saúde e nutrição.