Inundação no Níger causa o colapso de mais de 36,000 casas - CARE

Inundação do Níger causa o colapso de mais de 36,000 casas

Pessoas com carrinhos de mão e rudes se movem nas enchentes de uma rua da cidade.

Fortes chuvas inundaram a África Ocidental e Central nas últimas semanas, matando dezenas e deslocando milhares

As chuvas torrenciais das últimas semanas causaram inundações mortais e destrutivas em todo o Níger, que ceifaram vidas, destruíram propriedades e deixaram mais de 432,000 pessoas necessitando de abrigo, água, alimentos e artigos essenciais.

Sessenta e cinco mortes foram registradas, mais de 36,000 casas desabaram e mais de 22,200 acres de terras agrícolas destruídas. Maradi, Agadez e Niamey são as regiões mais afetadas. O rio Níger está transbordando, barragens e diques estouraram e grandes quantidades de água estão engolfando as casas, fazendas e propriedades das pessoas sem aviso prévio. Na capital Niamey, onde a CARE Niger está sediada, bairros inteiros estão submersos.

“Todas as casas caíram e as casas de cimento estão cheias de água. Nenhuma casa está em bom estado. Nossa casa está completamente inundada ”, diz Hadjo Issa, mãe de quatro filhos de Karadjé. Ela ganhava a vida vendendo suco, antes que as enchentes destruíssem sua casa e sua geladeira.

“As paredes caíram e a água estava subindo debaixo de nós.”

As equipes da CARE estão no terreno e respondendo em Niamey com transferências de dinheiro para tentar ajudar até 750 famílias a comprar alimentos e outros suprimentos essenciais. A CARE também está apoiando o saneamento construindo latrinas móveis ou temporárias, incluindo banheiros sensíveis ao gênero para mulheres e meninas, para pessoas que se abrigam em prédios públicos.

432000

pessoas

precisam de abrigo, água, alimentos e itens essenciais devido às enchentes no Níger

'' Hoje, compaixão e solidariedade deveriam ser palavras que prevalecem de nós, pois cada um de nós foi afetado por esta enchente, seja de longe ou de perto ”, disse o Diretor da CARE Níger, Ely Keita.

Fortes chuvas foram registradas na África Ocidental e Central nas últimas semanas, incluindo em Burkina Faso, Camarões, Chade, Gana, Níger, Mali, Nigéria, República do Congo e Senegal, levando a inundações devastadoras que mataram dezenas e desalojaram milhares de pessoas.

“Esta é a primeira vez que presencio tal fenômeno. … O que estamos vendo hoje é realmente uma catástrofe. ”

A resposta inicial do governo do Níger à crise incluiu a autorização de reassentamento temporário de pessoas deslocadas nas salas de aula e a distribuição de alimentos e itens não alimentares. Mas ainda há uma necessidade não atendida e crescente de alimentos e materiais, como colchonetes e roupas de cama, mosquiteiros, equipamentos de cozinha, armazenamento de água e lonas. Muitas pessoas não têm para onde ir. E enquanto as escolas se preparam para reabrir, muitas pessoas serão forçadas a encontrar outros locais para se abrigar.

“Não podíamos mais ficar em nossas casas, as paredes caíram e a água subia debaixo de nós. Você pode ver nossas coisas estacionadas nas salas de aula. Não há outro lugar para ir e agora estamos sendo solicitados a deixar o local ”, disse Zalika Saadou, uma vendedora de especiarias de 55 anos que perdeu sua casa e loja no bairro de Karadjé em Niamey devido a uma enchente.

Saadou, viúva e mãe de 11 filhos, diz que a família e os amigos com quem ela normalmente ficava também foram desalojados pelas enchentes e não têm para onde ir. “Então, para onde podemos ir agora? Devemos pegar nossas coisas e voltar para nossas casas inundadas? ”

As pessoas já afetadas pela pandemia COVID-19 agora enfrentam grandes desafios em termos de alimentação, abrigo e outras necessidades. As inundações causaram perdas significativas de produtos e safras de cereais, especialmente arroz cultivado no vale do rio Níger. Isso, combinado com o impacto do COVID-19 e a contínua insegurança alimentar em partes do país, pode fazer com que mais pessoas passem fome.

“É época de malária, tem gente que já tá doente e não tem tratamento. Estamos realmente precisando e pedindo ajuda ”, diz Mamadou Maiga Harouna, garçom de 50 anos e pai de 13 filhos do bairro de Lamordé. “O dique cedeu e a água nos pegou de surpresa, então nem tivemos tempo de pegar nossos pertences.”

Graves danos às estradas cortaram algumas áreas e causaram desvios nas principais vias.

“Esta é a primeira vez que presencio tal fenômeno. Houve inundações em 2012 que causaram danos, mas o que vemos hoje é realmente uma catástrofe ”, disse Mamadou. “Precisamos muito das ONGs para nos apoiar, precisamos muito de ajuda. As pessoas precisam de um lugar para se estabelecer e algo para comer enquanto isso. ”