Ucrânia: À medida que o conflito se arrasta, as necessidades dos refugiados se aprofundam - CARE

À medida que o conflito se arrasta, as necessidades dos refugiados se aprofundam

Imagem de refugiados ucranianos na fronteira polonesa

Foto de Adrienne Surprenant/MYOP

Foto de Adrienne Surprenant/MYOP

Os relatos da mídia agora podem não ter imagens de refugiados ucranianos fugindo na fronteira polonesa, mas isso não significa que a situação dos refugiados se tornou menos terrível. Pelo contrário, há sinais de que a situação dos refugiados é ainda mais frágil e merece a atenção dos humanitários.

A equipe da CARE Polônia está encontrando mais refugiados de cidades como Mariupol e Kherson, bem como das regiões de Donetsk e Luhantsk. Muitos têm desafios financeiros ou outros que os impediram de fazer a viagem mais cedo. Ficar para trás, no entanto, só piorou seus problemas.

Imagem de homem descarregando uma caixa de um caminhão
Foto de Tvoya Opara/CARE

Trauma e suas consequências

Muitos enfrentaram bombardeios e testemunharam atrocidades, muitas vezes mal evitando o desastre. Diana de Mariupol fala sobre viver com um pão básico de farinha e água e beber água fervida do rio para sobreviver. Estão surgindo relatos de que muitos ucranianos deslocados internamente enfrentam fome aguda e foram forçados a beber de fontes de água contaminadas.

Além disso, as jornadas dos refugiados tornaram-se muito mais difíceis à medida que passam por forças hostis e atravessam vários postos de controle. Uma motorista de ônibus na fronteira de Hrebenne, que constantemente transporta refugiados de Lviv para Varsóvia, disse que um grupo assistiu a assassinatos das janelas do ônibus e ficou muito traumatizado.

Dos mais de quatro milhões de ucranianos que cruzaram a fronteira para a Polônia, 1.1 milhão ficaram lá. Cerca de 90% deles são mulheres e crianças. A CARE viu evidências de que há fadiga tanto no governo polonês quanto na população em geral para manter seu apoio aos refugiados, o que não é inesperado. No entanto, voluntários poloneses e ONGs ainda estão trabalhando duro e estamos orgulhosos de continuar a apoiá-los.