Ucrânia: não importa o que aconteça, Lyudmyla fica para ajudar - CARE

Ucrânia: não importa o que aconteça, Lyudmyla fica para ajudar

Retrato de Lyudmyla Yankina, escrevendo em um caderno.

Todas as fotos por Sarah Easter/CARE

Todas as fotos por Sarah Easter/CARE

Uma caridade de uma só mulher faz toda a diferença para as pessoas presas pela guerra.

Uma guerra implacável está acontecendo na Ucrânia desde fevereiro. Mais de cinco milhões de pessoas fugiram através da fronteira para países vizinhos. Mas muitos ficam para trás porque não podem ir: os idosos, as pessoas com deficiência, os doentes ou os fracos demais para embarcar na viagem. E pessoas como Lyudmyla Yankina permanecem.

Ela vive em um abrigo de emergência em um porão em Kiev, capital da Ucrânia. A estrada para a cidade está repleta de casas bombardeadas e tanques queimados. Lugares como Bucha e Irpin, cujos nomes deram a volta ao mundo, estão a poucos quilômetros de distância.

Lyudmyla, 38, fugiu da região de Donbas em 2014. Em 2022, ela disse: “É o suficiente. Eu não estou fugindo novamente. Vou ficar aqui e ajudar as pessoas.”

Ela treinou como enfermeira e agora tem como missão ajudar as pessoas que vivem em áreas que estão completamente isoladas. Ela transporta alimentos, remédios e outros suprimentos necessários. “Tenho 200 pessoas que visito em casa porque precisam de remédios regularmente”, disse ela. “Entre eles estão muitos idosos que estão sozinhos e não têm ninguém. Muitos também estão com fome. Visitei uma senhora de 90 anos que não comia há uma semana. Entre essas pessoas também estão algumas com câncer, para as quais é vital que recebam a medicação.”

Uma caridade de uma mulher

No início, ela pagou tudo com seu próprio dinheiro. Quando ficou sem dinheiro, Lyudmyla fez um pedido de ajuda no Facebook. Enquanto isso, ela recebeu muitas doações. Cada vez que chega uma doação, ela calcula mentalmente: “0.25 euros é um sanduíche. 5 euros me levarão alguns quilômetros de carro.”

Rezo todos os dias para que os mísseis nas estradas não explodam enquanto estamos dirigindo por lá.

Todos os dias, Lyudmyla dirige de 100 a 150 quilômetros para alcançar pessoas que não têm mais ninguém para cuidar delas. O oeste de Kiev foi completamente isolado de suprimentos e muitas vezes levou mais de seis horas para ela atravessar a cidade. As aldeias e subúrbios de Kiev também são difíceis de alcançar, já que muitas minas ainda não foram desativadas. “Rezo todos os dias para que os mísseis caídos nas estradas não explodam enquanto estamos dirigindo por lá”, conta Lyudmyla.

Na estrada, Lyudmyla continua vendo os efeitos da guerra. “Uma vez passamos por um carro que ainda tinha os corpos das crianças dentro. Toda vez que vejo um prédio desmoronando, começo a chorar porque sei quantos moradores e habitantes ainda estão sob os escombros”, diz Lyudmyla.

Retrato de Lyudmyla falando com a equipe da CARE em um café.

Refeições quentes para milhares

Ela coopera com restaurantes em Kiev e, com outros voluntários, entrega até 2,000 refeições por dia. “Ajudamos aqueles que sobreviveram. As pessoas começam a chorar quando trazemos uma refeição quente porque não têm mais nada”. Na própria Kiev, ela já ajudou até 400 pessoas e nas aldeias e subúrbios, mais de 1,000.

Lyudmyla considera o que é necessário todos os dias. “Preciso encontrar as batatas, preciso encontrar um lugar para preparar a comida, preciso de algo para transportar a comida e preciso de gasolina para os carros. Todos os dias penso se compro gasolina para dois carros ou para um. Dois carros podem alimentar mais pessoas, mas se eu economizar gasolina para um carro, terei mais dinheiro para mais refeições.”

Enquanto isso, muitos dos que fugiram e foram deslocados a contatam e relatam que estão sem contato com seus entes queridos há vários dias. Eles tiveram seus telefones celulares retirados ou estão vivendo em áreas onde não há eletricidade ou conexão de rede. Uma jovem enviou a Lyudmyla as últimas coordenadas conhecidas de sua mãe. Lyudmyla não pôde viajar para o local por quatro dias porque todas as vias de acesso estavam cheias de minas. Quando encontrou a mãe, Lyudmyla gravou diretamente um vídeo para a filha. Então ela carregou um baú cheio de comida, geradores, carregadores, rádio, celular, gasolina e outras coisas que a mãe precisava.

Eu não sou uma heroína. Não é uma aventura. Estou sempre com medo. Todo dia poderia ser o meu último.

“Perguntei à mãe o que ela gostaria de comer e ela me perguntou se eu tinha biscoitos. Gravei então um vídeo da mãe conversando diretamente com a filha. Eu sou a única ponte entre as famílias.” Lyudmyla também trouxe os biscoitos para ela. Lyudmyla recebe os rádios porque costuma falar com pessoas dessas áreas que foram isoladas de qualquer informação por várias semanas. “Um pai uma vez me perguntou se Kiev ainda estava de pé. Foi-lhe dito que Kiev havia caído”, diz Lyudmyla.

Última dignidade para os mortos

Nem todos os que ela encontra sobreviveram. Lyudmyla comprou 1,000 sacos de cadáveres para enterrar os mortos com dignidade. Os cemitérios estavam sob ataque até recentemente. Fábricas que faziam caixões foram destruídas. Todos os dias ela escreve em seu caderno os nomes daqueles que quer encontrar e para quem leva remédios ou comida. “Ao lado de cada pessoa que encontro, escrevo 'vivo'. Eu preciso disso para que eu possa ver que algo bom aconteceu hoje e essa pessoa não precisa de um saco de corpo.”

Lyudmyla vai às áreas contestadas todos os dias. Todos os dias sua vida está em perigo. “Foi minha decisão ficar. Como enfermeira, tenho habilidades que são necessárias. Meus amigos me dizem para ficar em segurança, mas não consigo imaginar deixar essas pessoas para trás. Se você encontrar pessoas que estão com fome há uma semana, posso ajudá-las”, relata Lyudmyla.

O que move Lyudmyla? “Eu não sou uma heroína. Não é uma aventura. Estou sempre com medo. Todo dia poderia ser o meu último. Nós precisamos de ajuda. Estamos morrendo aqui”, disse ela. Ela é um dos muitos ucranianos que, como voluntários, ajudam muitas pessoas afetadas todos os dias. Ela espera que essa forte coesão continue durante a guerra. “Para o futuro, desejo paz. Quanto a mim, desejo ter minha própria casa novamente algum dia.”