Empatia na crise dos refugiados na Ucrânia: "Sabemos o que significa estar separado da sua família" - CARE

Empatia na crise de refugiados na Ucrânia: "Sabemos o que significa estar separado de sua família"

Os ucranianos que chegam desembarcam na balsa que atravessa o Danúbio na passagem de fronteira de Isaccea entre a Romênia e a Ucrânia. Foto: Lucy Beck/CARE

Os ucranianos que chegam desembarcam na balsa que atravessa o Danúbio na passagem de fronteira de Isaccea entre a Romênia e a Ucrânia. Foto: Lucy Beck/CARE

Andreeas Novacovici, assistente social e presidente da Associação YouHub na Romênia, está em parceria com a CARE para responder à crise na Ucrânia. O YouHub é membro da Federação de ONGs de Proteção à Criança (FONPC) e é um dos 80 membros dessa federação que se intensificou quando o conflito eclodiu para responder àqueles que fugiam para a Romênia, bem como aos necessitados ainda dentro da Ucrânia.

Andreeas Novacovici é assistente social e presidente da Associação YouHub na Romênia, que é membro da Federação de ONGs de Proteção à Criança. Foto: Lucy Beck/CARE

Por meio do FONPC, a CARE apoiará o YouHub com contêineres de escritório e fundos para contratar assistentes sociais e psicólogos para trabalhar com os mais vulneráveis, incluindo crianças, e pontos de entrada na fronteira, como Isaccea, no leste da Romênia.

Nesta breve sessão de perguntas e respostas, Andreeas compartilha como sua organização está respondendo à crise, bem como sua experiência pessoal que lhe dá uma empatia única nessa situação tensa.

Natasha e seu filho Artem, 2, são da região costeira de Odesa, na Ucrânia. Fugindo de casa devido ao bombardeio, eles pegaram um ônibus e uma balsa para chegar à Romênia. Foto: Lucy Beck/CARE

Como o YouHub está respondendo à crise na Ucrânia?

Quando a crise na Ucrânia aconteceu, adaptamos nosso trabalho para ajudar aqueles que estavam dentro da Ucrânia e fugindo do país. Conseguimos enviar caminhões de ajuda humanitária para Kiev e Lviv, enviamos camas, kits médicos e cobertores e roupas que as pessoas que procuram abrigo agora em hospitais podem usar depois de longas jornadas. Também enviamos kits para bebês, ou kits de 'vitória' que gostamos de chamar para mães com bebês recém-nascidos.

No ponto fronteiriço em Isaccea, com o financiamento da CARE, estamos a planear a criação de uma base com contentores para um escritório permanente de coordenação da ajuda humanitária de todos os itens enviados para a Ucrânia e também para registar as crianças que terão de permanecer na Roménia por mais tempo e precisam de itens especializados. Os contêineres que montaremos servirão também como uma unidade de dormir para que possamos cobrir os turnos 24 horas por dia, 7 dias por semana. Nas grandes cidades da Romênia há falta de itens e serviços indo e vindo, pois queremos ajudar na coordenação. Por enquanto, ainda é muito caótico. Atualmente, temos recursos para três meses, e mais colegas meus virão esta semana – assistentes sociais, psicólogos e assistentes sociais, para ajudar a apoiar isso.

É muito importante ter psicólogos e especialistas em proteção infantil aqui trabalhando com aqueles que estão chegando e ficando e dando apoio psicossocial para todos os traumas que estão vivenciando.

Estamos felizes em poder ajudar; não estamos satisfeitos com suas circunstâncias, é claro, mas desde a primeira hora, quando vimos no noticiário que a guerra começou, naquela mesma noite tivemos uma reunião com os membros do FONPC e pudemos definir um plano e fluxo de trabalho para que todas as necessidades sejam atendidas tanto quanto possível e o mais rápido possível, e para garantir que os serviços, serviços sociais, proteção infantil, participação infantil e independência sejam fornecidos. É muito importante ter psicólogos e especialistas em proteção infantil aqui trabalhando com aqueles que estão chegando e ficando e dando apoio psicossocial para todos os traumas que estão vivenciando.

Fico feliz em ver cães e gatos aqui. Significa que as pessoas ainda são humanas, que não podem deixar seus 'bebês peludos' para trás. Isso me lembra de sua humanidade. É muito importante estar aqui para essas pessoas, enquanto pudermos, para fornecer a elas os serviços de que precisam da melhor maneira possível.

Foto: Lucy Beck / CARE

O que te motiva a ajudar?

Na minha organização somos todos 'deixados de cuidados' – pessoas que cresceram em instituições infantis e orfanatos – então para nós também é pessoal. Sabemos o que significa estar separado de sua família ou estar longe de sua casa, tomado pelos serviços e frustrado por não saber onde está; passando por diferentes casas, diferentes abrigos. Sabemos disso, passamos por isso e, como resultado, somos mais empáticos por causa disso.

No meu caso, desde a primeira hora do parto, fui deixada no hospital. A mulher que me trouxe a este mundo foi embora, e o único item que tenho dela é a pulseira de nascimento do hospital que tinha meu nome – Andreas – nela. O governo me deu o nome que tenho agora, Novacovici, (que por sinal não gosto!). A certa altura, quase fui adotado por uma família dinamarquesa, mas não deu certo. Então, eu cresci minha vida inteira, até 2 anos atrás, em um orfanato.

Eu cresci minha vida inteira, até 2 anos atrás, em um orfanato.

Abandonei quando fui fazer mestrado em serviço social na universidade. e agora estou esperando uma resposta da Harvard Kennedy School of Social Sciences. E espero que eu entre e consiga fazer meu doutorado lá. Quero estudar a situação social dos 'deixados de cuidados' em outros países membros das Nações Unidas. Quero ver os diferentes serviços prestados a eles depois de deixarem os cuidados, em comparação com aqui na Romênia; onde realmente não há nada. Para mim, conseguir esse doutorado será muito importante. É um objetivo pessoal mais do que um objetivo acadêmico – descobrir o que acontece com meus colegas em todo o mundo. Eu quero estudar em algum lugar onde essas questões sejam realmente estudadas e seguidas e reconhecidas como problemas sociais maiores, ao invés de escondidas.

Tenho 27 anos agora e durante 25 anos cresci em quatro instituições diferentes. Foi isso que quis dizer quando digo que sei o que significa ser transferido de uma casa para outra; conhecer novas pessoas, ter dificuldade em confiar nas pessoas e aprender a ser assertivo e desenvolver resiliência – algo que nunca é ensinado nos livros!

A situação que vemos aqui é realmente de partir o coração e estamos tentando fazer o nosso melhor. Somos muito gratos por toda a ajuda, apoio e fundos vindos do exterior, e vamos nos certificar de usar esses recursos da melhor maneira possível. E esses recursos são tão importantes porque a assistência até agora, muito da qual vem de empresas e organizações locais, está se esgotando, e não podemos sustentá-la sem assistência e apoio internacional.

Histórias relacionadas

Êxodo ucraniano: refugiados compartilham suas histórias angustiantes

Quase três milhões de refugiados ucranianos, a maioria mulheres, crianças e idosos, fugiram do país desde a invasão russa de 24 de fevereiro. A cada dia que passa, mais pessoas chegam à Polônia, Romênia, Eslováquia e Moldávia. Os ucranianos demonstraram extraordinária resiliência e os países vizinhos os acolheram com uma generosidade que nem sempre é concedida. Saiba Mais

Saiba Mais

Conflito na Ucrânia: preços crescentes de alimentos e combustíveis ameaçam o bem-estar de milhões no leste, centro e no Chifre da África

À medida que o conflito na Ucrânia continua, a centenas de quilômetros de distância, as comunidades na África estão sentindo os efeitos em cascata. Em toda a região da África Oriental, Central e Austral, os cidadãos comuns estão experimentando os efeitos iniciais, mesmo quando os indicadores e os analistas apontam para repercussões ainda mais adversas atingindo a região nos próximos seis meses. Saiba Mais

Saiba Mais

1 Mês de Guerra: 5 maneiras pelas quais mulheres e meninas são impactadas pelo conflito na Ucrânia

Um mês depois, a crise na Ucrânia está tendo um impacto desproporcional sobre mulheres e meninas, incluindo exploração, abuso e fome. Saiba Mais

Saiba Mais