11 anos de guerra: famílias sírias sacrificando o futuro para sobreviver ao presente - CARE

11 anos de guerra: famílias sírias sacrificando o futuro para sobreviver ao presente

Valerio Muscella

Valerio Muscella

Análise Rápida de Gênero da CARE: Dificuldades financeiras crescentes que colocam os sírios sob tensão psicológica, erodindo a capacidade de lidar com isso.

Pobreza aguda, COVID-19, seca, deslocamento e 11 anos de guerra estão levando ao limite a resiliência e as habilidades de enfrentamento dos sírios, revelou uma nova análise da CARE, com as famílias tomando medidas cada vez mais desesperadas, incluindo casamento precoce e trabalho infantil, para mantenha vivo.

“Estamos vendo famílias em todo o país sob imensa pressão, confrontadas por escolhas impensáveis. Pagar por tratamento médico crítico para um membro ferido ou alimentar o resto da família? Comprar lenha para aquecimento ou mandar os filhos para a escola? Eles estão tendo que sacrificar o futuro para sobreviver ao presente”, diz Jolien Veldwijk, Diretor de País da CARE Síria.

Nove em cada dez sírios vivem abaixo da linha da pobreza, com 67% necessitando de assistência humanitária. O estresse psicológico é alto. No Noroeste, onde 97% da população vive com menos de dois dólares por dia, as mulheres relatam a violência doméstica como uma grande preocupação. As taxas de suicídio também estão despertando alarme com quase uma em cada cinco tentativas e mortes registradas no Noroeste sendo de crianças menores de 20 anos. Os mais afetados são aqueles que vivem em lares chefiados por uma pessoa com deficiência e lares chefiados por mulheres (22% das famílias sírias), onde o acesso a alimentos e necessidades básicas é precário.

Quase 70% do país tem insegurança alimentar. Quase meio milhão de crianças sofrem de desnutrição crônica e mais de 90,000 crianças sofrem de desnutrição aguda. No Nordeste, anteriormente o celeiro da Síria, agora devastado pela seca, uma em cada quatro famílias pesquisadas faz uma refeição por dia e uma em cada cinco crianças está desnutrida. Sessenta por cento dos pais entrevistados no norte da Síria disseram que sacrificaram refeições para seus filhos. Outras estratégias de enfrentamento incluíram: eliminar carne, frutas e vegetais das dietas; vender terras agrícolas e animais; mendicidade e empréstimo; enviar filhos para o trabalho, casar filhas menores de idade e se envolver em atividades geradoras de renda de alto risco.

“A trágica realidade para muitos sírios é que, com a economia em colapso, deixando itens necessários, como alimentos frescos e medicamentos, fora de alcance, a educação é uma reflexão tardia”, diz Sherine Ibrahim, diretora nacional da CARE na Turquia. “As estratégias de enfrentamento negativas afetam a resiliência e a capacidade de geração de renda no futuro, tornando essas famílias ainda mais vulneráveis ​​à insegurança alimentar e mais dependentes de assistência.”

Mais da metade das crianças na Síria foram privadas de educação. Mais meninos do que meninas estão envolvidos em trabalho infantil, com alguns trabalhando em condições impróprias mesmo para adultos. As meninas têm um fardo maior em casa, e muitas (mais de 46%) se casam bem antes dos 18 anos.

“Algumas crianças de 11 anos passaram a vida inteira sem pisar em uma sala de aula. A infância deve ser um tempo para as crianças aprenderem, crescerem e sonharem. Em vez disso, estamos olhando para toda uma geração de sírios sem educação e traumatizados em grande risco de permanecer presos em um ciclo de pobreza e violência por toda a vida”, diz Veldwijk.

A CARE apela à comunidade internacional para aumentar urgentemente os recursos humanitários para a Síria, concentrando-se em intervenções que salvam vidas e programas de resiliência. Nos últimos anos, as necessidades humanitárias aumentaram, mas o financiamento não acompanhou o ritmo. Em 2021, o financiamento necessário para atender às necessidades básicas da Síria sob o plano de resposta humanitária cresceu 10.7%, mas a quantidade de dinheiro recebida caiu 12.1% – o que significa que apenas 46.6% do plano foi financiado. Isso representa uma enorme lacuna entre as enormes necessidades humanitárias enfrentadas por 14 milhões de sírios e a assistência disponível para apoiá-los.

“Precisamos criar empregos e oportunidades de subsistência, para que as pessoas possam se manter de pé e preparadas para choques futuros. Também precisamos urgentemente aumentar o apoio alimentar e agrícola, para que as mães não precisem temer que seus filhos morram de fome. Onze anos de guerra são 11 anos demais. Apesar de tudo o que está acontecendo no mundo no momento, queremos lembrar às pessoas que as necessidades dos sírios não desapareceram e que a crise na Síria continua sendo uma grande e aguda emergência humanitária”, diz Ibrahim.

Algumas vozes da Avaliação Rápida de Género da CARE:

“Dependemos principalmente de ajuda humanitária, mas não é suficiente e na maioria das vezes vendemos para comprar leite e fraldas para as crianças. Algumas famílias começaram a tirar suas filhas da escola e colocá-las para trabalhar carregando vegetais para gerar renda.”- Male, Harim.

“Comemos muito menos e não comemos mais vegetais porque são caros. Temos que assar pão, não comprá-lo como antes. Cozinhamos em um fogão primus porque não há gás e aquecemos água na lenha. A vida é desgastante mentalmente e fisicamente. Não podemos mais ir aos hospitais porque os cuidados de saúde e os medicamentos são muito caros. Meus filhos comem menos. Eles não têm mais leite porque eu tive que vender minhas vacas”. – Fêmea, Deir El Zor

“As famílias utilizam várias estratégias para lidar com as novas condições de vida. Alguns são forçados a se mudar a cada poucos meses. Alguns homens trabalham em vários empregos para ganhar o suficiente para cobrir as despesas, ou fazem os filhos trabalharem em oficinas ou em fazendas para gerar renda.” — Macho, Harim.

Para maiores informações:

Rachel Kent
Assessor de imprensa sênior
Rachel.Kent@care.org