CARE: Trabalho infantil em ascensão entre refugiados sírios - CARE

CARE no Dia Internacional da Criança: aumento do trabalho infantil entre os refugiados sírios

Aboud, 12, fugiu com sua família para Mafraq, na Jordânia, há seis semanas. Em vez de ir à escola, ele trabalha em uma barbearia das 9h da manhã às 00h10 da noite, varrendo o chão e limpando uma tesoura. Seu irmão de 30 anos também deve trabalhar para ajudá-lo a sobreviver.
Aboud, 12, fugiu com sua família para Mafraq, na Jordânia, há seis semanas. Em vez de ir à escola, ele trabalha em uma barbearia das 9h da manhã às 00h10 da noite, varrendo o chão e limpando uma tesoura. Seu irmão de 30 anos também deve trabalhar para ajudá-lo a sobreviver.

AMMAN (15 de novembro de 2013) - Antes do Dia Internacional da Criança em 20 de novembro, a CARE expressa nossa preocupação com as famílias de refugiados sírios que dependem cada vez mais do trabalho infantil para atender às necessidades básicas de sobrevivência, como comida e aluguel. De acordo com as últimas estimativas do governo jordaniano, cerca de 30,000 crianças sírias estão trabalhando atualmente na Jordânia. A Organização Internacional do Trabalho alerta que o número de crianças trabalhadoras na Jordânia pode ser ainda maior. No Líbano, pelo menos 50,000 crianças refugiadas sírias precisam trabalhar para sustentar suas famílias.

“Muitas das famílias que registramos em nossos centros de refugiados todos os dias fugiram sem parentes do sexo masculino porque maridos e pais morreram ou ainda estão na Síria. Infelizmente, em muitas das famílias de refugiados que registramos, um dos filhos pequenos se torna o ganha-pão da família para sobreviver ”, disse Salam Kanaan, Diretor da CARE Jordan para o país.

Quanto mais tempo as famílias de refugiados permanecem nos países vizinhos, mais vulneráveis ​​financeiramente se tornam. “As famílias não podem mais depender de suas economias e há uma pressão crescente para que mais de um milhão de crianças refugiadas encontrem trabalho”, explica Kannan. “Muitas famílias fugiram há meses ou anos. Eles se tornam cada vez mais desamparados e não veem outra opção a não ser mandar seus filhos trabalhar para gerar uma renda para a família ”.

“Ser puxado para a força de trabalho geralmente significa ser retirado da escola”, diz Kanaan. “Centenas de milhares de crianças em idade escolar já perderam até três anos de escolaridade. Se não agirmos imediatamente, toda uma geração de crianças perderá uma educação, que é o investimento mais importante para o futuro da Síria. ”

Na Jordânia, não mais do que um terço das cerca de 150,000 crianças sírias em idade escolar estão atualmente frequentando a escola. No vizinho Líbano - o país que acolhe o maior número de refugiados - as estimativas mostram que as taxas de matrícula de crianças sírias são inferiores a 10 por cento.

“O impacto social e psicológico da guerra nas crianças já é imenso. Trabalhar muitas horas em condições adversas aumentará a angústia ”, diz Kanaan.

É ilegal trabalhar ou empregar qualquer pessoa com menos de 16 anos na Jordânia, e muitas crianças se encontram em situações deploráveis ​​e assustadoramente exploradoras. Freqüentemente, são pagos abaixo do salário mínimo, trabalhando muitas horas sem equipamentos de segurança adequados.

“Conversei com um menino de 13 anos que trabalha 15 horas todos os dias. Semelhante a muitos outros, ele tinha de aceitar um salário de apenas dois dólares por dia e, às vezes, seu chefe nem mesmo lhe pagava. Está de mãos atadas porque não tem autorização de trabalho e não pode perder o emprego [porque] sua família não teria fonte de renda ”, diz Kanaan.

A CARE apela à comunidade internacional para aumentar o seu apoio às famílias sírias para que as crianças possam sair do mercado de trabalho e regressar à sala de aula.

“Se o apoio financeiro aos refugiados sírios continuar tão limitado como agora, a porcentagem de crianças que trabalham aumentará ainda mais”, diz Kanaan. “A menos que os refugiados obtenham a autorização de trabalho correta, os pais que forem encontrados trabalhando podem enfrentar uma ação judicial. Se o apoio não está sendo fornecido, as famílias de refugiados não têm outra opção. ”

Até hoje, a CARE garantiu menos de 25 por cento dos $ 100 milhões necessários para nossa assistência humanitária planejada na região.

A CARE está fornecendo serviços de salvamento para refugiados sírios na Jordânia e no Líbano e para pessoas afetadas pela crise na Síria. Na Jordânia, a CARE ajudou mais de 150,000 refugiados sírios, fornecendo apoio financeiro para que as famílias de refugiados sejam estáveis ​​o suficiente para enviar seus filhos à escola e não ao trabalho. A CARE também tenta conscientizar as famílias sobre o risco de exploração e abuso. Estamos criando centros familiares onde crianças refugiadas podem brincar com outras crianças, ler livros e estar em um ambiente onde possam se sentir como crianças novamente.

Continue aprendendo

Sobre CARE

Fundada em 1945, a CARE é uma organização humanitária líder no combate à pobreza global e na prestação de assistência vital em emergências. A CARE dá ênfase especial ao trabalho ao lado de meninas e mulheres pobres porque, equipadas com os recursos adequados, elas têm o poder de ajudar a tirar famílias e comunidades inteiras da pobreza. A CARE tem trabalhado na Jordânia desde 1948. A CARE Jordan tem uma vasta experiência no trabalho com refugiados, fornecendo treinamento e oportunidades de subsistência, assistência emergencial em dinheiro, compartilhamento de informações e apoio psicossocial aos refugiados iraquianos desde 2003.

Contato com a mídia

Johanna Mitscherlich (Amã), Johanna.Mitscherlich@jo.care.org+ 962 775442241

Recursos

Resumo da avaliação final - Comunidades prósperas de cultivo de cacau na Costa do Marfim

Prósperas Comunidades Cacaueiras (PROCOCO) na Costa do Marfim procuraram promover cacau mais próspera, sustentável e resiliente -...

Saiba Mais

Desenvolvimento da Primeira Infância

A primeira infância (do nascimento aos 6 anos) é a fase mais importante da vida de uma criança.

Saiba Mais

Power to Lead Alliance (PTLA): Capacitando as meninas a aprender e liderar

PTLA, uma parceria público-privada de três anos construída sobre uma ampla base de colaboração entre CARE, USAID, organizações da sociedade civil (...

Saiba Mais

Oficina Consultiva de Educação e Empoderamento de Meninas

Janeiro 2015

Saiba Mais

Índice de Liderança Juvenil da CARE

Kit de ferramentas 2014

Saiba Mais

Índice de igualdade de gênero da CARE

Kit de ferramentas 2014

Saiba Mais

Estratégia de Educação da CARE 2020

Lidando com as iniquidades; Capacitando alunos

Saiba Mais

CARE e CREDIT SUISSE

IMPACTO EDUCACIONAL: 2008 - 2013

Saiba Mais

A Patsy Collins Trust Fund Initiative

Fazendo a diferença: capacitando meninas, expandindo conhecimento, enfrentando a pobreza

Saiba Mais

Realizar um sonho ajuda a alimentar sua família

Quando a CARE abriu a primeira escola para meninas em sua aldeia afegã, isso acendeu os sonhos de Malalai, de 13 anos.

Saiba Mais

Insights em inovação

Descobertas educacionais da Patsy Collins Trust Fund Initiative

Saiba Mais

O poder de liderar: um modelo de liderança para meninas adolescentes

Saiba Mais

Esportes e Educação

Quer se trate de basquete ou futebol, boxe ou natação, o esporte constrói o caráter e promove o trabalho em equipe.

Saiba Mais

Anotações de campo: Comemorando o Dia Internacional da Menina

Ao celebrarmos o Dia Internacional da Garota, não podemos deixar de nos lembrar de nossa própria infância.

Saiba Mais

Desenvolvimento de liderança feminina em ação: a experiência de campo da CARE

Acreditamos que o maior obstáculo à educação das meninas é o baixo status social em que as meninas são mantidas.

Saiba Mais

Meninas com poder

O direito à educação é fundamental para a realização e exercício de todos os direitos humanos.

Saiba Mais

Education Plus: uma agenda de políticas para desbloquear o poder das meninas

O futuro do mundo será amplamente moldado pelas meninas de hoje e pelas mulheres de amanhã.

Saiba Mais

Caminho para a capacitação: Visão geral

Nosso plano se chama CAMINHO PARA O EMPODERAMENTO porque é uma jornada para a frente, juntos.

Saiba Mais