América Central à beira de uma nova temporada de ciclones, ainda sofrendo com os impactos de Eta e Iota - CARE

América Central à beira de uma nova temporada de ciclones, ainda sofrendo com os impactos de Eta e Iota

Uma cidade é inundada com água quase atingindo o topo dos edifícios

[Bogotá, Colômbia, 3 de maio de 2021] Guatemala e Honduras convivem dia a dia com as graves consequências que a passagem das tempestades tropicais Eta e Iota deixou para trás. As duas tempestades tropicais devastaram a vida de mais de sete milhões de pessoas, que agora se preparam para enfrentar uma nova temporada de furacões. Um grande número de comunidades afetadas continua enfrentando problemas de água e saneamento, casas destruídas, falta de acesso a alimentos e rotas terrestres não reconstruídas.

A mudança climática está exacerbando as condições meteorológicas extremas na América Central, aumentando a intensidade das chuvas e das secas, e o aquecimento do mar está contribuindo para temporadas de tempestade hiperativas, que são devastadoras para comunidades sem resiliência para lidar com elas.

As tempestades tropicais de outubro de 2020 afetaram o norte da Guatemala, causando inundações e deslizamentos de terra em uma escala nunca vista antes. Centenas de milhares de pessoas perderam suas casas e colheitas e foram forçadas a evacuar, deixando tudo para trás. Os danos causados ​​são estimados pela Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (CEPAL) em mais de 700 bilhões de dólares. Além disso, estima-se que mais de 67,000 famílias serão afetadas pela perda de 38,000 hectares de lavouras.

Rogelia Soto, Diretora de país da CARE Guatemala

“A Guatemala está entre os dez países mais vulneráveis ​​a desastres naturais. A falta de planejamento do uso da terra, o crescimento populacional e a falta de vontade política para reduzir os riscos apenas aumentam as vulnerabilidades das comunidades. Os 2.4 milhões de atingidos pelo Eta e Iota ainda não se recuperaram, enquanto as primeiras chuvas da temporada de 2021 causaram o primeiro deslocamento de mais de mil pessoas ”.

Em Honduras - o país mais gravemente afetado pelo Eta e Iota - o impacto no Vale do Sula deixou centenas de comunidades em necessidade humanitária devido à destruição causada pelas enchentes. No início de abril, foi relatado que milhares de pessoas tiveram que deixar abrigos temporários para retornar às suas comunidades, apesar de não terem bons lugares para ficar porque foram fechados pelo governo para usar as instalações para outros fins. Este é um dos países com os maiores índices de insegurança alimentar da região e ocupando o 13º lugar no mundo. Estima-se que em 2021 mais de 3 milhões de pessoas passarão fome em todo o país.

Catalina Vargas, Gerente Regional Humanitária da CARE para a América Latina e o Caribe

“O impacto da temporada de furacões agravou a situação de pobreza, fome e desigualdade que ocorre tanto na Guatemala quanto em Honduras devido à pandemia COVID 19. Criou condições para que milhares de pessoas migrassem em busca de uma vida melhor, expondo mulheres e meninas à violência de gênero e ao tráfico de pessoas nas rotas migratórias. As pessoas que compõem as 'caravanas de migrantes' vêm das áreas mais afetadas pelas tempestades ”.

A CARE e a ONU Mulheres conduziram uma Análise Rápida de Gênero na Guatemala e em Honduras em janeiro para medir os efeitos das tempestades tropicais em mulheres e meninas e descobriram que elas exacerbaram as desigualdades de gênero já existentes. A chegada das tempestades Eta e Iota deixou milhares de mulheres desprotegidas, forçando-as a se refugiar em abrigos temporários e a trabalhar no setor informal depois de perder suas casas e plantações.

Um dos principais efeitos foi a perda de autonomia: as mulheres têm menos ou nenhum recurso social, político e econômico. As mulheres também continuam a assumir a responsabilidade exclusiva pelas questões de saúde reprodutiva e cuidados em casa, perpetuando estereótipos de gênero que limitam suas possibilidades de desenvolvimento. Para as mulheres que retornam às suas comunidades, há ansiedade e, em alguns casos, depressão, principalmente ao lembrar o que aconteceu com elas, e a incerteza de não saber o que acontecerá com sua comunidade na próxima temporada de furacões.

Maite Matheu, Diretor de País da CARE em Honduras 

“A falta de acesso a serviços de apoio e proteção adequados e apropriados, a falta de acesso a oportunidades econômicas, bem como a falta de conhecimento de seus direitos estão aumentando o risco de mulheres e meninas das comunidades mais afetadas à violência de gênero, abuso e exploração. Muitas mulheres e seus filhos correm o risco de deslocamento ou migração, pois têm medo de retornar às suas comunidades, seja pela ameaça de novas enchentes ou pela ameaça de gangues. ”  

Desde novembro de 2020, a CARE atendeu mais de 25,000 pessoas em Honduras e na Guatemala afetadas pela temporada de furacões. Nossas ações buscaram reduzir o risco de transmissão da COVID-19, garantir acesso a água potável, reduzir o risco de desnutrição entre grupos vulneráveis, garantir acesso a sistemas de proteção e apoio psicológico para mulheres sobreviventes de violência de gênero, bem como atender aos necessidades imediatas de alimentos, abrigo e meios de subsistência para as populações afetadas.

Para maiores informações:
Rachel Kent
Assessoria de imprensa sênior - Rachel.Kent@care.org