Conflito na Ucrânia causa dívida crescente e aumento da pobreza e desigualdade na América Latina e no Caribe - CARE

Conflito na Ucrânia causa dívida crescente e aumento da pobreza e desigualdade na América Latina e no Caribe

Nazereth Piloira 27, espera perto do Terminal Rodoviário de Carcelen, em Quito, próximo ao assentamento informal de barracas, com seus filhos esperando doações públicas de alimentos

CARE International

CARE International

(Quito, Equador, 6 de abril de 2022) - Aumentos de preços e interrupções no comércio global provavelmente levarão ao aumento da dívida em toda a América Latina, já uma região com a maior dívida do mundo e alguns dos maiores níveis de desigualdade, alerta a CARE. 

Atualmente, a região ainda está sofrendo com os impactos da pandemia do COVID-19, com os efeitos econômicos da pandemia muitas vezes referidos como os piores desde a 'Grande Depressão'. No Equador, por exemplo, segundo informações do Banco Central, em 2020, as perdas totais atingiram US$ 16.3 bilhões – 16.6% do Produto Interno Bruto (PIB). Isso significava um 7 anos de retrocesso em termos de produção e renda. Isso teve consequências devastadoras, especialmente na população já vulnerável, marginalizada e discriminada; pobreza crescente e pobreza extrema.  

De acordo com Alexandra Moncada, Diretora Nacional da CARE Equador: “Sem dúvida, para a América Latina, os efeitos econômicos do conflito na Ucrânia serão significativos e até devastadores, dependendo da evolução dos acontecimentos. A região foi uma das mais atingidas pela COVID e segue se recuperando e buscando soluções para a devastação econômica que causou.

Os impactos da situação na Ucrânia podem variar um pouco dependendo da situação financeira de cada país, mas aqueles com dívidas muito altas podem sofrer consequências muito mais complexas se o conflito continuar. A América Latina já é o região mais endividada do mundo. Apesar da distância, esse conflito também afeta bolsões da população desta região, que continua sofrendo com alguns dos mais altos níveis de desigualdade do mundo.” 

No caso do Equador, o aumento dos preços do petróleo como resultado do conflito na Ucrânia em andamento provavelmente será acompanhado pelo aumento da inflação e baixo crescimento econômico. A crise também está afetando o fluxo de exportações do Equador para a Europa e Ásia – uma importante fonte de receita do país. Segundo a mídia local, as empresas exportadoras já registraram perdas de até US$ 2.5 milhões por semana e alertam para o risco à sua sustentabilidade e a perda generalizada de empregos à medida que a situação continua. 

Notas Moncada; “Em todo o Equador, a pobreza cresceu exponencialmente em 2022. De quase 18 milhões de pessoas, 35% vivem na pobreza; em menos de 2 dólares. 40% das famílias enfrentam insegurança alimentar; e quase 8% das meninas e meninos provavelmente terão que abandonar seus estudos para trabalhar ou se envolver em trabalhos de cuidado não remunerados.

A violência de gênero também continua a crescer de forma alarmante, afetando 7 em cada 10 mulheres, enquanto 9 em cada 10 mulheres migrantes e pessoas de gênero não-binário relatam enfrentar incidentes diários de violência. Este contexto de enorme fragilidade para o Equador é um alerta urgente para não perder de vista os esforços coletivos para promover respostas sustentáveis ​​e estruturais que não deixem ninguém para trás.” 

Ela adiciona; “o país requer maior cooperação pública e privada, bem como apoio financeiro multilateral que incorpora condições vinculadas à redistribuição de riqueza e renda e atenção às fortes demandas da população em risco, para que os países mais pobres e com maiores níveis de desigualdade, como o Equador, possam ser reativados e resistir aos choques financeiros e econômicos produzidos pela um conflito como este; que parece distante, mas parece cada vez mais perto.” 

Para maiores informações:

Dorissa Branca
Assessora de Imprensa Júnior da CARE
Dorissa.white@care.org

Tagged