Migrantes venezuelanos sob alto risco de tráfico e abuso - CARE

Migrantes venezuelanos sob alto risco de tráfico e abuso

Génesis Gonzales é uma das 3.7 milhões de pessoas que fugiram da Venezuela devido à instabilidade, fome e pobreza. Foto: Josh Estey / CARE
Génesis Gonzales é uma das 3.7 milhões de pessoas que fugiram da Venezuela devido à instabilidade, fome e pobreza. Foto: Josh Estey / CARE

LA GUAJIRA, COLÔMBIA (19 de junho de 2019) - O abuso e a exploração de mulheres que migram da Venezuela atingiram níveis alarmantes, constatou a principal organização humanitária CARE em uma análise de gênero instantânea na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia divulgada hoje.

A análise - realizada em dois postos de controle ao longo da fronteira - encontrou indícios preocupantes de violência sexual perpetrada contra mulheres e meninas em passagens informais de fronteira. Em particular, as mulheres e adolescentes enfrentam um risco extremamente alto - não apenas de abuso - mas também são forçadas a recorrer ao sexo transacional como meio de sobrevivência. Além disso, os migrantes venezuelanos são alvos fáceis de tráfico e exploração, pois muitas vezes não têm documentação oficial e têm conhecimento limitado de seus direitos.

“Os venezuelanos forçados a deixar suas casas quando seu país implode já estão sofrendo o suficiente”, disse Tatiana Bertolucci, Diretora Regional da CARE para a América Latina e o Caribe. “A comunidade humanitária precisa urgentemente intensificar os esforços para prevenir e responder ao abuso e à exploração de pessoas que estão simplesmente em busca de uma vida melhor para si mesmas e suas famílias. Mulheres e meninas também devem participar da conversa sobre seu futuro e opinar sobre como são ajudadas. Simplesmente não podemos fazer isso sem eles e eles já suportaram o peso desta crise. ”

A CARE apela à comunidade humanitária e outras pessoas que estão respondendo à crise para garantir que as necessidades das mulheres e meninas sejam compreendidas e que sejam atendidas de forma adequada através da resposta. Há uma necessidade urgente de garantir que a proteção, a saúde e os meios de subsistência de mulheres e meninas sejam priorizados.

A crise econômica que os venezuelanos enfrentaram nos últimos anos obrigou cerca de quatro milhões de pessoas a deixar suas casas. A maioria dos venezuelanos se estabeleceu em países vizinhos, onde seu futuro é incerto. Existem estimativas de que cerca de 90% dos migrantes venezuelanos vivem abaixo da linha da pobreza.

A escassez de alimentos, a hiperinflação e o sistema de saúde em ruínas na Venezuela estão forçando muitas mulheres grávidas e meninas, indivíduos HIV-positivos e pessoas com deficiências ou doenças crônicas a migrar para a Colômbia. Como resultado, seus riscos de proteção se multiplicam exponencialmente e, em muitos casos, resultam em necessidades de saúde ainda maiores, incluindo saúde sexual e reprodutiva.

A pesquisa da CARE foi concluída de 6 a 13 de maio de 2019 na Colômbia e foi complementada pela coleta de dados secundários antes e depois desse período. A coleta de dados foi realizada em Riohacha e Maicao, Departamento de La Guajira e Cúcuta e Puerto Santander, departamento de Norte de Santander - duas das regiões fronteiriças mais gravemente afetadas da Colômbia - e em Bogotá.

A CARE apela ao Congresso para apoiar o Safe from the Start Act, um projeto de lei bipartidário que trabalha para lidar com a violência de gênero no início de uma emergência humanitária para que possa ser evitada ou tratada o mais cedo possível. Especificamente, o Safe from the Start Act formaliza uma iniciativa existente do governo dos EUA que começou em 2013 para lidar com a violência de gênero em emergências - tornando-a mais forte e mais sustentável, bem como capacitando organizações humanitárias locais e internacionais para lidar com isso com sucesso preocupações. Uma vez apresentado, esperamos trabalhar com o Congresso para garantir que este projeto de lei seja uma prioridade para milhões de mulheres e meninas que enfrentam emergências humanitárias em todo o mundo.

SOBRE O CUIDADO:
Fundada em 1945 com a criação do CARE Package®, a CARE é uma organização humanitária líder no combate à pobreza global. A CARE dá ênfase especial ao trabalho ao lado de mulheres e meninas porque, equipadas com os recursos adequados, elas têm o poder de tirar famílias e comunidades inteiras da pobreza. É por isso que as mulheres e meninas estão no centro dos esforços comunitários da CARE para enfrentar a fome, garantir nutrição e segurança alimentar para todos, melhorar a educação e a saúde, criar oportunidades econômicas e responder a emergências. Em 2018, a CARE trabalhou em 95 países e alcançou mais de 56 milhões de pessoas em todo o mundo.

CONTATOS DE MÍDIA 
Vanessa Parra, +1 917-525-0590, vanessa.parra@care.org