Lugar de mulher… é empregar outras mulheres - CARE

Lugar de mulher… é empregar outras mulheres

Delil Souleiman/CARE

Delil Souleiman/CARE

O bem-sucedido negócio agrícola de Amal no nordeste da Síria lhe proporciona independência financeira, bem como a capacidade de gerar empregos.

Antes de enfrentar o clima e as pragas, Amal* primeiro teve que lidar com corações e mentes que achavam que administrar um negócio agrícola era inadequado para uma mulher síria.

“As pessoas da comunidade me disseram que eu deveria parar de fazer o que faço. 'Isto é assunto de homem', diziam. Mas não parei e continuei fazendo meu trabalho. Felizmente, meu marido é incrivelmente solidário. Ele é engenheiro agrônomo. Sempre que estou frustrado ou desanimado, ele me diz para continuar.”

Amal, 44 anos, mora com o marido e cinco filhos em Al Hassakeh, no nordeste da Síria, onde começou seu negócio há seis anos. Seus pais a obrigaram a abandonar a escola quando ela estava na sexta série, embora seu maior sonho fosse continuar a frequentar a escola e depois estudar em uma universidade.

Apesar de muitos desafios, seu negócio estava prosperando.

Amal*, 44 anos, mora com o marido e cinco filhos no nordeste da Síria. Amal começou a trabalhar na indústria agrícola há seis anos. Apesar de muitos desafios, seu negócio está prosperando.

“Não gosto de pedir dinheiro. Eu gosto de ganhar o meu.”

Ama*

Há alguns meses, Amal participou do treinamento da CARE e, posteriormente, recebeu US$ 5,000, que usou para expandir seus negócios, alugando um pedaço de terra para cultivar frutas e legumes. No início, foi difícil encontrar outras mulheres que estivessem dispostas a trabalhar para ela. “Preparar a terra para o plantio é um trabalho físico árduo”, lembra ela. “Eles estavam com medo de que seria muito cansativo para eles.”

Amal decidiu contratar dois homens para fazer o trabalho inicial e, em seguida, contratou uma mulher local que conseguiu entrar em contato com sua rede e encontrar outras funcionárias.

Hoje, ela emprega de 11 a 15 mulheres, dependendo da estação. Muitas perderam seus maridos durante a guerra, são divorciadas ou solteiras. Eles são particularmente afetados pela pobreza e muitas vezes enfrentam violência e abuso. “Sinto-me muito bem com o que faço e com as oportunidades que estou criando para minhas funcionárias”, diz ela. “Fazer parte deste projeto realmente mudou suas vidas. Eles agora podem comprar comida e outros itens essenciais para si e suas famílias e não precisam depender da misericórdia de outros.”

Amal sabe como é bom não ter que depender de ninguém. Embora ela e seu marido sempre tenham sido uma boa equipe, ela está feliz por agora poder contribuir para a renda de sua família.

“Não gosto de pedir dinheiro. Eu gosto de ganhar o meu”, diz ela com um grande sorriso no rosto. Todas as filhas de Amal vão para a escola ou estudam na universidade. Ela quer garantir que suas filhas recebam a educação que ela mesma perdeu.

Depois de muitos anos de pessoas dizendo a ela que o lugar de uma mulher é sua casa, Amal agora é um membro respeitado e vocal da comunidade. Ela recebe muitos pedidos de outras mulheres que desejam trabalhar para ela, e os membros masculinos da comunidade respeitam o que ela conquistou para si mesma e seus funcionários.

“Meu sonho é que os pais eduquem seus filhos e filhas”, diz ela. “Como sociedade, não teremos sucesso se as mulheres não receberem o apoio adequado. Uma mão não pode bater palmas. Precisamos ser fortes como comunidade, e uma comunidade é composta por homens e mulheres”.

* nome alterado