Idai um ano depois: a África do Sul ainda está devastada e vulnerável - CARE

Ciclone Idai um ano depois: a África do Sul ainda está devastada e vulnerável aos choques climáticos

Foto: Josh Estey / CARE
Foto: Josh Estey / CARE

MAPUTO (10 de março de 2020) - Um ano depois que o Ciclone Idai deixou um rastro de destruição em partes de Moçambique, Zimbábue e Malawi, quase 100,000 pessoas continuam a viver em abrigos improvisados ​​e são alarmantemente vulneráveis ​​a futuros choques climáticos.

As agências de ajuda internacional CARE International, Oxfam e Save the Children estão alertando que sem um maior financiamento climático e ação sobre as mudanças climáticas em nível global, será impossível limitar o impacto de choques climáticos futuros e aumentar a capacidade dos mais vulneráveis ​​a adaptar. As agências estão conclamando os países ricos a empreender ações ambiciosas para reduzir o impacto da crise climática, que está contribuindo para o aumento da frequência e da gravidade dos choques climáticos como o Ciclone Idai.

O ciclone Idai atingiu a costa em 14 de março de 2019. Apesar de um enorme esforço global para arrecadar dinheiro para a resposta, o plano humanitário foi menos de 50% financiado, deixando lacunas na capacidade das agências de ajuda para atender às necessidades imediatas das famílias devastadas ou investir em estratégias de longo prazo para ajudar as comunidades a construir resiliência e reduzir os riscos associados a desastres.

Vários locais de reassentamento do Ciclone Idai na província de Sofala já foram inundados por fortes chuvas e inundações que atingiram a área em Dezembro 2019, com mais de 3,676 abrigos danificados e quase 500 completamente destruídos nas enchentes. Mais que 700,000 hectares de lavouras, incluindo milho, feijão e arroz, foram destruídos no Ciclone Idai, com especialistas estimando que o ciclone custou a Moçambique pelo menos US $ 141 milhões nas perdas agrícolas. Os esforços para replantar as safras também foram prejudicados pelas inundações recentes, que destruíram grande parte das safras de reposição que as famílias haviam plantado com o apoio de agências de ajuda.

Mulheres e crianças sofreram um impacto significativo do desastre, com mulheres e meninas relatando um aumento significativo em suas tarefas diárias na esteira de Idai. Mulheres e meninas relatam que agora precisam viajar muito mais para encontrar água e lenha, e as meninas estão gastando mais tempo cuidando de irmãos mais velhos e mais novos porque suas mães precisam procurar trabalho [Avaliação de gênero Oxfam / SIDA, dezembro de 2019]. O deslocamento contínuo também criou riscos adicionais de crianças vulneráveis ​​à exploração, separadas de suas famílias e abandono escolar.

As temperaturas têm subido na África do Sul em duas vezes a taxa global como resultado da crise climática, e muitos países foram atingidos por vários choques nos últimos 12 meses. Atualmente 16.7 milhões de pessoas em toda a região enfrentam grave insegurança alimentar devido a uma combinação de ciclones, inundações e secas que destruíram plantações e meios de subsistência. Em Moçambique, estima-se que quase 2 milhão de pessoas enfrentam dificuldades no acesso a alimentos para atender às necessidades alimentares aceitáveis.

Marc Nosbach, Diretor de País da CARE International em Moçambique, disse:

“O aumento da ocorrência e da destrutividade dos desastres induzidos pelo clima em países mais pobres está sobrecarregando milhões de pessoas inocentes e vulneráveis ​​com a dívida da mudança climática. As pessoas e os países mais vulneráveis ​​estão sendo forçados a sofrer enquanto o mundo espera que os principais emissores façam sua parte justa e reduzam as emissões globais de CO2 pela metade até 2030. O agravamento dos impactos das mudanças climáticas e os desastres mais frequentes e intensos também causam um cenário de crise econômica paralisante ganhos de desenvolvimento para trás. Isso deve ser respondido com maior apoio financeiro, protegendo as pessoas dos impactos climáticos prejudiciais. ”

Rotafina Donco, Diretora de País da Oxfam em Moçambique, disse:

“Tempestades como Idai provavelmente se tornarão mais destrutivas e intensas com o aumento das temperaturas globais e a escalada da crise climática. À medida que a crise climática se agrava, governos e agências de ajuda lutam para obter os recursos certos para implementar esforços de recuperação e reconstrução rápidos e adequados. Precisamos de financiamento para melhores sistemas de alerta precoce, adaptação às mudanças climáticas e melhor preparação das ONGs locais, dado o compromisso assumido com a localização no setor humanitário, visto que são os primeiros a responder que tendem a alcançar as comunidades, como vimos com Idai. ”

Chance Briggs, Directora Nacional da Save the Children em Moçambique, disse:

“A crise climática é uma crise intergeracional que afeta as crianças agora e no futuro. As crianças foram as que menos contribuíram para a crise climática, mas sabemos que elas estão pagando o preço mais alto. Estamos pedindo mais financiamento para programas de resiliência, para reduzir o impacto da mudança climática nas crianças mais vulneráveis ​​e garantir que suas vidas e futuro sejam protegidos ”.

Notas aos Editores:

COSACA é um consórcio de emergência e humanitário formado por Save the Children, CARE e Oxfam International. As equipas de resposta da COSACA estão a trabalhar em colaboração para responder ao Ciclone Idai e ao Ciclone Kenneth nas províncias de Sofala, Manica, Tete, Zambézia e Cabo Delgado.

CARE: Como parte de sua resposta humanitária aos ciclones, a CARE está distribuindo sementes resistentes à seca, que incluem sorgo, feijão-caupi, amendoim, mudas de abacaxi, milho e painço, para mais de 36,000 pequenos agricultores em regiões onde as plantações foram destruídas por as tempestades em Moçambique. A CARE também está fornecendo treinamento básico em práticas agrícolas aprimoradas que apresentam benefícios aos agricultores e à terra ao longo das práticas tradicionais. Essas técnicas ajudarão as comunidades a combater os efeitos das mudanças climáticas no futuro.

Save the Children: Save the Children está a responder aos Ciclones Idai e Kenneth em Sofala, Manica, Zambézia e Cabo Delgado. Até o momento, Save the Children já apoiou mais de 780,000 pessoas, incluindo mais de 450,000 crianças, por meio de programas de Segurança Alimentar e Subsistência, Educação, Abrigo, Proteção à Criança, WASH, Saúde e Nutrição. Save the Children também está fornecendo assistência imediata para salvar vidas e sustentar a vida de crianças e famílias afetadas por grave insegurança alimentar, e ainda está distribuindo sementes, bem como apoiando a restauração dos meios de subsistência de pessoas afetadas por secas e enchentes por meio da construção de resiliência intervenções para mitigar os impactos humanitários do clima irregular.

Oxfam: A Oxfam continua a responder aos campos de reassentamento e comunidades em Sofala e Cabo Delgado através do fornecimento de latrinas e água potável através do fornecimento de furos e da reabilitação dos sistemas de água. Também apoiou os agricultores e famílias no fornecimento de sementes e ferramentas para permitir que eles ressuscitassem seu sustento que foi afetado pelo ciclone e garantindo que as atividades de resposta fornecidas atendam às diferentes necessidades de mulheres e homens nos vários locais.