The Vanuatu Photo Project: Conheça os fotógrafos e ouça suas histórias - CARE

The Vanuatu Photo Project: Conheça os fotógrafos e ouça suas histórias

A aspirante a fotógrafa e participante do Vanuatu Photo Project Ann-Ruth tem seu retrato feito pela mentora Valerie Fernandez.

A aspirante a fotógrafa e participante do Vanuatu Photo Project Ann-Ruth tem seu retrato feito pela mentora Valerie Fernandez.

Siga a jornada de quatro aspirantes a fotógrafas ni-Vanuatu, oito participantes do Programa de Liderança para Jovens Mulheres da CARE Vanuatu e uma mentora de fotografia profissional.

A CARE Vanuatu pediu a quatro fotógrafas ni-Vanuatu emergentes que capturassem as histórias e retratos de graduadas do Programa de Liderança para Mulheres Jovens da CARE Vanuatu (YWLP). Valerie Fernandez, fotógrafa profissional residente em Vanuatu, orientou os fotógrafos emergentes Elisa, Ann-Ruth, Talula e Winona durante toda a tarefa.

“Elisa, Ann-Ruth, Talula e Winona, também formadas pelo YWLP, têm personalidades, experiências e histórias únicas muito diferentes. No entanto, eles compartilham a paixão pela fotografia, por contar histórias e, o mais importante, por elevar as vozes das meninas e mulheres ao seu redor ”, diz Valerie.

Talula é estudante da University of the South Pacific e administra a empresa local Eliane Passion Sewing and Designs. Ela se formou no YWLP em 2020-21. Foto de Valerie Fernandez.
Fotógrafa apaixonada e aspirante a escritora, Elisa se formou no YWLP de 2019-20. Anteriormente, foi oficial de projetos da Sista, uma organização feminista de caridade com sede em Vanuatu que existe para empoderar mulheres e meninas, aumentar a conscientização e defender a causa. Atualmente, ela é estudante em tempo integral, concluindo seus estudos em psicologia e serviço social na University of the South Pacific. Foto de Valerie Fernandez.
Winona tem orgulho de se formar no YWLP 2019-20. Ela trabalhou anteriormente na CARE em Vanuatu como oficial de administração de recursos humanos até junho de 2021. Foto: Valerie Fernandez.
Ann-Ruth, 23, trabalhou com a Further Arts, uma associação de caridade sediada em Vanuatu que promove a música, mídia, dança e cultura de Vanuatu. Atualmente, ela dirige seu próprio pequeno negócio de pintura e costura. Foto de Valerie Fernandez.

As mulheres entrevistadas e fotografadas compartilharam histórias de criação problemática, perda, dificuldades financeiras, famílias complicadas, maternidade precoce, discriminação de gênero, intolerância e bullying contra os mais vulneráveis. Mas eles também compartilharam histórias de resiliência contra todas as probabilidades, determinação, apoio e incentivo da família, fé, busca da alma e auto-capacitação.

Com cada mulher, cada história, cada retrato, Valerie viu Elisa, Ann-Ruth, Talula e Winona acenar com empatia e compreensão. Ela os viu construir pontes entre essas mulheres e o mundo, capturando a essência de sua alegria, orgulho, fé, esperanças e sonhos, bem como sua raiva, feridas, lutas e vulnerabilidade.

“Ficou claro que isso era mais do que apenas uma tarefa comum”, diz Valerie. “Foi algo que despertou compaixão e simpatia, admiração e inspiração, bem como indignação e determinação de continuar fazendo tudo o que pudesse para apoiar a igualdade de gênero em sua casa, em seu dia a dia e na vida de meninas e mulheres de Vanuatu. ”

REGINA: COSTURANDO AS SEMENTES DO SUCESSO

Regina era uma menina apaixonada, sempre aprendendo e experimentando coisas novas, como pintura e costura. Ela frequentou a escola até engravidar no ano 12. Este foi o início de um período muito desafiador em sua vida. Naquela época, ela pensou: “Este é o fim da minha jornada”.

Mas ela não estava pronta para desistir de si mesma e de sua vida como mulher e mãe, então em 2019, ela se inscreveu para o Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE. Regina, hoje com 21 anos, sentiu que o programa seria uma grande oportunidade para aprender e desenvolver novas competências. Enquanto estava matriculada no programa, ela lecionou em uma escola primária por meio de um estágio de um mês. Houve desafios durante o programa, como transporte, custos relacionados e criação de seu filho, mas Regina deu certo e se formou em 2020.

Depois de completar o YWLP, ela começou um negócio de costura. Com a ajuda dos pais, ela comprou uma nova máquina de costura solar. “O pai do meu filho não estava por perto. Mesmo que meus pais tenham me dificultado quando descobriram que eu estava grávida, eles nos apoiaram e me incentivaram a me inscrever em tantos programas quanto possível para aprender novas habilidades, para que eu pudesse ganhar uma renda para cuidar de meu filho e família , ”Regina diz.

Graças ao sucesso de seu negócio, Regina agora pode sustentar seu filho e sua família.

Para todas as jovens, cuja situação é semelhante à de Regina, ela incentiva: “Não desista e nunca perca a esperança. Sua paixão e interesse em fazer o que gosta a levarão a ser uma grande mulher e a ter sucesso na vida. ”

Foto e história de Winona. Leia a história completa de Regina.

Aprendi que cada um tem sua própria jornada e suas próprias histórias para contar. E todos chegaram a um lugar em que estão agora, por meio de circunstâncias difíceis que os tornaram mais fortes.

-

GLORINDA: A DETERMINAÇÃO BRILHA ATRAVÉS

Glorinda, 21, morou com os pais biológicos até a oitava série. Quando os problemas financeiros de seus pais a impediram de assistir às aulas, ela foi adotada por sua tia. Isso marcou o início de um novo capítulo para Glorinda e um retorno às aulas. Em 2020, determinada a continuar seus estudos, ela foi para a capital de Vanuatu, Port Vila, e matriculou-se na University of the South Pacific.

Quando nem ela nem seus pais adotivos podiam pagar as aulas, Glorinda pensou em desistir. Felizmente, sua irmã se aproximou para apoiá-la.

Glorinda ingressou no Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE. Ela queria se socializar mais, ir além de sua zona de conforto, ganhar poder e criar confiança como base para seu futuro. Como uma jovem muito tímida e quieta, participar dos workshops do YWLP nem sempre foi fácil, mas lhe ensinou muitas lições. “Agora posso falar o que penso e estou confiante para falar em público também”, diz ela.

Glorinda compartilhou palavras de sabedoria para outras jovens que passaram por desafios semelhantes aos dela: “Participe de todos os workshops e programas que puder. Isso trará confiança em você para o bem do seu futuro. ”

Foto e história de Winona. Leia a história completa de Glorinda.

LOUISA: “INCLUIR A MIM, INCLUIR TODOS NÓS”

A mãe de Louisa foi cuidadora da Sociedade de Pessoas com Deficiência de Vanuatu por 10 anos, então, enquanto crescia, Louisa e seus irmãos interagiram com muitas pessoas que usavam os serviços da sociedade. Isso despertou nela o desejo de trabalhar com jovens e crianças com deficiência.

Quando ela estava começando a reconhecer seu interesse em trabalhar com jovens com deficiência, ela ouviu falar sobre o Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE. Louisa, de 30 anos, estava particularmente interessada em aprender a apoiar melhor as mulheres e meninas com deficiência que enfrentam violência e discriminação por causa de sua deficiência. “Antes, eu era uma líder, mas não sabia exatamente o que estava fazendo”, diz ela.

Independentemente dos obstáculos, alcançar a igualdade de gênero dentro da comunidade com deficiência é essencial para combater a violência contra todas as mulheres e meninas. Louisa defende este mantra Bislama, “Inkludim mi, mo inkludim yumi evriwan”, que se traduz como “Incluir-me e incluir todos nós”. Um lembrete de que todos nós contamos e que devemos sempre mostrar o caminho.

Foto e história de Talula. Leia a história completa de Louisa.

Cada indivíduo no planeta tem uma história para contar.

-

MARIE: “PODEMOS REALIZAR MAIS SE LUTAREMOS PELA MUDANÇA JUNTOS”

Marie, de 32 anos, teve experiências muito perturbadoras quando era jovem. Ela se tornou mãe quando tinha apenas 16 anos e sofreu violência doméstica. Por tudo isso, seus pais estavam sempre prontos para recebê-la sempre que ela voltasse para casa. Mesmo depois de abandonar a escola, ela continuou a frequentar cursos de curta duração em todas as oportunidades, inclusive por meio do Centro da Mulher de Vanuatu e da igreja.

Sua amiga a encorajou a se inscrever no Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE. Ela estava com medo de não ser aceita no programa. Marie refletiu sobre o momento em que soube de sua aceitação: “Nunca se subestime”.

Os workshops CARE aos quais participou lhe deram esperança para o futuro. Agora ela pode se desafiar a se levantar e falar. O mal-entendido, de acordo com Marie, não ocorreria se mulheres e homens fossem tratados da mesma forma. A igualdade de gênero traz harmonia ao país e à comunidade. Ela compartilhou: “Tive a sorte de entrar no programa para poder também capacitar meus filhos”.

Seu compromisso de eliminar a desigualdade de gênero e garantir que todos sejam valorizados é a base de tudo o que ela faz: “Lembre-se sempre, podemos realizar mais se lutarmos por mudanças juntos, não uns contra os outros”.

Foto e história de Talula. Leia a história completa de Marie.

FLORENÇA: “VIM PARA DESCOBRIR QUEM SOU E O QUE EU QUERO”

Quando Florence, 29, estava crescendo, seus pais se divorciaram. Ela achou o divórcio muito desafiador, mas também contribuiu para moldar quem ela é hoje. Os obstáculos que ela superou deram sua perspectiva e encorajaram Florence a pensar criativamente sobre os próximos passos em sua vida.

Essa mentalidade é o que a motivou a fazer parte do Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE: “Eu acreditei em mim mesma e que poderia fazer qualquer coisa que me propusesse”.

Ao longo do programa, Florence encontrou experiências que a inspiraram a crescer. Ela ganhou conhecimento e desenvolveu habilidades que a capacitaram a se tornar uma líder em casa, em sua igreja local, dentro de sua comunidade, em sua ilha e em seu local de trabalho. Florence atualmente trabalha como Oficial de Igualdade de Gênero Juntos na CARE em Vanuatu, onde apóia a entrega do YWLP para outras mulheres jovens.

Apesar dos obstáculos que enfrentou, Florence agora conhece as qualidades de um bom líder e as ferramentas que os líderes podem usar para atingir seus objetivos. “O mais importante é que, através de tudo, descobri quem sou e o que quero.”

Foto e história de Ann-Ruth. Leia a história completa de Florence.

Cada detalhe é importante, e olhar através das lentes pode dar vida a muito mais coisas do que simplesmente ver as coisas com meus olhos reais. Isso foi o que me motivou.

-

JACQUELINE: TRANSFORMANDO SONHOS EM REALIDADE

Mesmo antes de se inscrever no Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE, Jacqueline, 21, havia observado muita desigualdade de gênero em sua comunidade. Quando ela estava na escola, ela assumiu papéis de liderança, e uma coisa que ela aprendeu foi que sempre haveria pessoas que se recusariam a ouvir uma líder feminina, sempre haveria oposição. Esta é uma experiência que muitas mulheres e meninas em Vanuatu compartilham. Jacqueline rejeita expectativas sociais desiguais em relação às mulheres. Ela acredita que as mulheres são importantes e capazes de muito mais do que se acredita.

Para Jacqueline, ser aceita no YWLP mudou o jogo. Jacqueline acredita que nenhuma mulher, independentemente da idade ou do relacionamento, deve se subestimar. “Embora enfrentemos desafios todos os dias, não devemos desistir tão facilmente de transformar nossos sonhos em realidade”, diz ela.

Ela quer ser contadora e administradora de negócios algum dia, até mesmo para ter seu próprio negócio. Mas para se tornar essa versão definitiva dela, ela acredita que deve se tornar uma boa líder primeiro.

Jacqueline sente que as palavras de Madeleine Albright capturam sua experiência YWLP: “Levei um tempo para desenvolver minha voz e agora que a tenho, não vou ficar em silêncio”.

Foto e história de Ann-Ruth. Leia a história completa de Jacqueline.

ESHINA: “AQUILO QUE EU COLOCAR MINHA MENTE, POSSO ALCANÇAR”

O início de vida de Eshina não foi fácil. Com apenas alguns meses de idade, ela foi adotada por seu já falecido tio. Quando ele faleceu, a vida da família tornou-se mais difícil, pois a tia não dava certo. As pressões financeiras sobre a família acabaram forçando ela e seus primos a abandonar a escola. Ela aceitou suas circunstâncias e fez o possível para apoiar sua tia.

Eshina mais tarde voltou a morar com o pai biológico e, com a ajuda dele, conseguiu retomar os estudos. Alguns anos depois, porém, seu pai também faleceu.

Como uma adolescente sozinha e com o coração partido pela perda de seu tio e pai, Eshina largou a escola novamente, sacrificando sua educação para que seus irmãos mais novos pudessem continuar. Enquanto refletia sobre a perda do pai e do tio, Eshina compartilhou: “No final do dia, você é a única que tem as suas próprias costas”.

A paixão de Eshina por desenvolver habilidades de liderança e encontrar sua voz a levou ao Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE. Desde que se formou no programa, Eshina, 23, se vê como uma jovem independente, capacitada e confiante. Através das provações e desafios de sua jornada de liderança, Eshina continua a perseguir seus objetivos, defendendo a igualdade de gênero em seu local de trabalho e para seus amigos do sexo masculino. Ela continua a acordar todos os dias e dizer a si mesma: “Tudo o que eu fizer, posso conseguir. Nada é tão impossível quanto pensamos. ”

Foto e história de Elisa. Leia a história completa de Eshina.

Eu me pergunto quanta diferença isso pode fazer se ouvirmos histórias de mulheres líderes em nossas comunidades e vilas, e como isso seria inspirador para as gerações femininas mais jovens.

-

ALICIA: “QUANDO VOCÊ RESPEITA OS OUTROS, VOCÊ ATRAI O MESMO RESPEITO”

Alicia, 24, teve a oportunidade de terminar o ensino médio na Nova Zelândia. Estar longe de casa na adolescência deu-lhe a liberdade de que precisava para descobrir a si mesma, seu potencial e sua voz. Mal sabia ela que a decisão de voltar para casa depois de vários anos estudando no exterior levaria a muitos desafios, a começar pela forte oposição entre suas visões sobre igualdade de gênero e alguns aspectos tradicionais de sua cultura natal.

Ela viu a discriminação e a violência doméstica que as mulheres enfrentam. Ela viu culpar e envergonhar as mulheres por suas escolhas, pelo que vestiam, diziam ou faziam. Ela queria quebrar o ciclo de culpa e ajudar a criar um ambiente mais seguro para ela, suas irmãs e as mulheres de Vanuatu.

Com uma mentalidade determinada, Alicia trabalhou para desafiar a desigualdade de gênero de qualquer maneira que pudesse. Ela assumiu um papel de liderança em seu grupo de jovens da igreja como líder educacional e se tornou a secretária da juventude presbiteriana no sul de Efate. É esse mesmo espírito que a motivou a começar a trabalhar como conselheira no Centro Feminino de Vanuatu, prestando aconselhamento a mulheres que sofreram violência doméstica. Isso também a encorajou a continuar expandindo seu conhecimento e habilidades de liderança, e eventualmente a levou a se inscrever no Programa de Liderança de Mulheres Jovens da CARE.

Alicia compartilhou: “Não há limite para o quão longe você pode ir. Devemos aproveitar todas as oportunidades para ir para o próximo nível como líderes ”. Ela disse que o YWLP foi uma oportunidade única de redescobrir seu poder como uma jovem líder.

Foto e história de Elisa. Leia a história completa de Alicia.

O Programa de Liderança de Mulheres Jovens de Vanuatu (YWLP) é implementado pela CARE em Vanuatu com o apoio generoso do governo australiano. O YWLP é um programa de 12 meses que promove a liderança de mulheres jovens para que possam tomar medidas para promover a igualdade de gênero e eliminar a violência contra mulheres e meninas em Vanuatu. Mais de oitenta mulheres jovens de 18 a 30 anos, incluindo mulheres com deficiência e diversas identidades de gênero, se formaram no programa desde que ele começou em 2017. Essas graduadas agora estão usando o conhecimento, as habilidades e a confiança fortalecidos por meio do YWLP para realizar a igualdade de gênero em seus famílias, comunidades e em Vanuatu. Todas as moças apresentadas nessas histórias, e aquelas que capturaram suas fotos e histórias, são formadas pelo YWLP.

Fotógrafas femininas da África Ocidental

5 mulheres de 5 países documentam o impacto do COVID-19 em suas comunidades.

Saiba Mais
Como uma humanitária salvou sua família e vizinhos de um ciclone mortal

Marie Toto, da CARE Vanuatu, entende as necessidades únicas de comunidades remotas em tempos de crise.

Saiba Mais